Os Três Elementos da Auto Liderança

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Se você já passou por algum processo de formação de liderança, ou ao menos se interessou em saber sobre o assunto, já deve ter ouvido ou visto a expressão auto liderança.

Mas a pergunta é: você seria capaz de se lembrar em detalhes do que é constituída a auto liderança? Ou ainda, caso você se recorde da sua definição formal, também lhe explicaram sobre como desenvolvê-la?

Eu acredito que não, pois as abordagens comportamentais se limitam a fazer referências ao que, mas não sabem ensinar o como.

Tenho certeza de que você se surpreenderá muito com a nossa abordagem que será apresentada logo a seguir, pois apesar de ser muito simples, coloca por terra conceitos que ao invés de te ajudarem, contribuem com o aumento das dificuldades ou para a paralisia.

Então vamos lá. Você já ouviu falar em loop positivo do pensamento inconsciente? Se sim, é porque os seus conhecimentos sobre PNL são razoavelmente profundos.

Uma pesquisa inglesa demostrou que 98% dos bebês até um ano de idade têm o perfil de gênios. Aos 4 anos, esse percentual cai para 72%, aos 7 anos cai para 36% e chegam na fase adulta apensas 1% das pessoas consideradas com inteligência diferenciada.

Então, o que aconteceu no meio do caminho, entre a nossa infância e o momento em que estamos hoje? Considere que genialidade se relaciona com a capacidade de realizar coisas extraordinárias e não com filosofias sem atitude.

Outra verdade interessantíssima é a de que os cérebros de todas as pessoas são fisicamente iguais. Então, o que determina resultados tão diferentes entre um e outro? Por exemplo, pense em como funciona a mente de Jorge Paulo Lemann, o maior empreendedor brasileiro e a mente de um morador de rua.

Se os cérebros são fisicamente iguais, por qual motivo existem tantas diferenças de resultados? Talvez tenhamos aqui uma boa pista para nos convencermos de que medir o QI tenha muito menos importância do que aprendermos a medir a capacidade de realização.

Mas saiba, nascemos gênios, equipados com um “programa de fábrica” chamado loop positivo que é composto de elevadíssimos sensos de: curiosidade, experimentação e aprendizado. Até os três anos e meio de idade a criança não elabora em sua mente inconsciente percepções de frustração e de medo de iniciativa.

E também, até os 7 anos de idade o lado racional praticamente não atua. Portanto, a criança coloca forte emoção em suas experiências e isso faz com que os aprendizados se tornem automáticos muito rapidamente. E esses aprendizados servem de base para os comportamentos do adulto.

E outra informação fundamental para o entendimento dessas diferenças é a da funcionalidade da nossa mente. A mente consciente funciona ao equivalente a 2.000 bits por segundo e a inconsciente funciona a 1 trilhão.

Tomamos nossas decisões através da mente consciente e reagimos aos estímulos através da mente inconsciente. Para as situações nas quais você tem comportamentos que não gostaria de ter, ou não tem comportamentos que gostaria de ter ou fica paralisado em certos contextos, quem ganha? É claro que é o comportamento inconsciente e não o seu desejo consciente.

Mas de onde vieram esses conflitos entre o que você sabe que deveria fazer e o que você faz? De um monte de crenças que foram instaladas em sua mente inconsciente através da linguagem que as pessoas de elevado poder pessoal usaram com você, sobremaneira durante a primeira infância.

Por isso, Programação Neurolinguística. A nossa neurologia é intensivamente programada através do processo de comunicação que as pessoas que nos criam utilizaram conosco.

E dependendo da linguagem predominante, surgem grandes dificuldades, tais como: insegurança, autoestima baixa, vergonha extrema, medo de falhar, procrastinação, explosões emocionais, vitimização, síndrome do bonzinho, dificuldades para se comunicar de modo congruente, aversão às discussões, medo do novo, medo de falar em público, dificuldade para falar não, etc., etc., etc.

Então nascemos gênios, capazes de tudo e aprendermos a ter os nossos impedimentos. Essa constatação é muito importante para que invertamos a maneira com a qual quase o mundo todo considera as dificuldades e as habilidades do ser humano. Não existem gênios, existem pessoas sem crenças limitantes

Basta então aprendermos a acessar os processos inconscientes que estão instalados em nossa mente e ressignifica-los. E se você já tentou terapias, coaching, cursos e até pai de santo e não funcionou, é porque esses profissionais não possuíam a tecnologia para te ensinar a fazer isso.

A PNL nos equipa com os conhecimentos para nos tornarmos eficientes terapeutas de nós mesmos, com simples, porém poderosos métodos para acessarmos nossos impedimentos e nós mesmos promovermos sua ressignificação.

Então, auto liderança não seria nada mais e nada menos do que isso: a capacidade de identificarmos os nossos impedimentos e eliminarmos cada um deles, sistematicamente, até que os recursos com os quais nascemos, chamados de loop positivo voltem a funcionar livremente, sem a atuação das crenças subjacentes que nos impedem de atuar.

E você não deve ter encontrado ao longo deste texto os três elementos da auto liderança, porque eles não existem. Eu só precisava chamar a sua atenção para que o lesse e aguçasse a sua curiosidade sobre o assunto, pois o que temos visto é um número cada vez maior de pessoas desalentadas que fazem investimentos de tempo e dinheiro na busca do aprimoramento dos seus recursos e acabam se convencendo de que não são capazes.

Isso é um verdadeiro crime, pois você nasceu pleno de capacidade e elas estão aí dentro de você, latejando, prontas para serem utilizadas, na forma do loop positivo.

Mauricio Magagna                                                                                                                                                Master Em PNL

 

Últimos cursos

Encerrado

Turma 3 – Comportamento – Quem Disse Que Tem Que Ser Difícil?

Encerrado

Turma 2 – Comportamento – Quem Disse Que Tem Que Ser Difícil?

Encerrado

Turma 1 – Comportamento – Quem Disse Que Tem Que Ser Difícil?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *